Isolamento pelo corona vírus tem impacto positivo no meio ambiente

A quarentena imposta por vários países ajudou a diminuir a poluição e o trânsito. A redução do uso de aviões e carros, assim como o fechamento de algumas atividades da indústria foram os grandes colaboradores para isso.

O impacto se mostra ainda maior nos países mais afetados pelo vírus, a China e a Itália — ambos decretaram quarentena obrigatória para conter a contaminação altíssima, da doença. Em Nova York, que tem se tornado o epicentro da pandemia na América do Norte, pesquisadores notaram quedas nos níveis de carbono em mais de 50% abaixo dos índices normais. Peter DeCarlo, professor associado de engenharia de saúde ambiental da Universidade Johns Hopkins, disse em entrevista (via A Rádio Rock):

“Os níveis de poluição do ar observados por satélite estão mostrando melhorias drásticas em muitas áreas que estão passando por quarentenas restritivas devido à COVID-19.”

No Brasil, houve diminuição no consumo de combustíveis como diesel e gasolina

Podemos praticamente fazer uma analogia diretamente proporcional, que durante esse período nós tivemos 50% a menos de poluição atmosférica em função dos veículos e 80% daquela provocada pela aviação, com destaque para os gases como o gás carbônico, o gás enxofre – que os combustíveis fósseis acabam liberando – e até outros que levam nitrogênio na sua composição. Houve um relativo descanso temporário para a nossa atmosfera.

Podemos dizer que é preciso repensar hábitos da nossa relação com o meio ambiente?

É evidente que esse período de isolamento nos trouxe alguns aprendizados, nunca se passa por uma experiência sem efetivamente aprendermos algumas lições e a primeira lição é de que alguns hábitos nossos podem ser repensados. O fato de deixarmos mais o automóvel nas garagens, se há de fato essa necessidade de toda família ter um automóvel, e utilizarmos a locomoção de caráter público, que também precisaria vir a ser melhorado para que todo mundo utilizasse mais essa modalidade, diminuindo o tráfico nas cidades, melhorando a mobilidade urbana como a gente vê em cidades felizes, realizadas, como é o caso de Copenhague, que a maioria das famílias não tem automóvel, utilizando muito um bom transporte público, bicicleta, caminhadas.

E de fato algumas atividades a gente poderia realizar de maneira on-line, em casa, como muito é comentado, ou pelo menos parte das atividades. A gente vê que no comércio muitos se voltaram às vendas dos seus produtos ou serviços pela Internet e isso acaba diminuindo também a mobilidade urbana, o tráfico de automóveis. Esse aprendizado pode nos auxiliar em caráter ambiental para depois dessa pandemia.

Fonte: Diário da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *